Palavras de Salvação.

pesquisar

 
Terça-feira, 22 / 02 / 11

A Doutrina de Deus - 2.

Continuação do post anterior.

 

Deus é Espírito.

Em que você pensa, quando fecha os olhos e procura imaginar como é Deus? Se em sua mente forma-se uma espécie de imagem, então a sua maneira de pensar não corresponde inteiramente àquilo que as Escrituras ensinam. Deus não tem forma alguma, porque Ele é Espírito. Veja João 4.24: “Deus é Espírito, e por isso os que o adoram devem adorá-lo em espírito e em verdade - NTLH. E um espírito é invisível. Veja João 1.18: “Ninguém nunca viu Deus...”

 

Para entendermos bem essa declaração, teremos de considerar o que é um espírito. O que está envolvido na espiritualidade, ou seja, na qualidade de ser espírito? Esse não é um conceito fácil de explicar. Segundo já dissemos, a Bíblia oferece-nos um desvendamento parcial da natureza de Deus. Quando nos esforçamos para descrever a natureza espiritual de Deus, talvez empreguemos termos que lhe são desconhecidos. Faremos um esforço de definir cada um desses vocábulos a maneira que eles forem surgindo.

 

Nossa pesquisa nas Escrituras revela-nos, antes de tudo, que Deus é dotado de um Ser singular, cuja substância é distinta de tudo quanto existe no mundo. Veja os versículos: Efésios 4.6: “E há somente um Deus e Pai de todos, que é o Senhor de todos, que age por meio de todos e está em todos.” – NTLH; Colossences 1.15-17: “Ele, o primeiro Filho, é a revelação visível do Deus invisível; ele é superior a todas as coisas criadas. Pois, por meio dele, Deus criou tudo, no céu e na terra, tanto o que se vê como o que não se vê, inclusive todos os poderes espirituais, as forças, os governos e as autoridades. Por meio dele e para Ele, Deus criou todo o Universo.  Antes de tudo, ele já existia, e, por estarem unidas com Ele, todas as coisas são conservadas em ordem e harmonia”.

 

Ser singular significa não haver outro igual. A substância aponta para a natureza essencial. Os termos substância e essência são muito parecidos, quando usados a respeito de Deus. Refere-se a todas as qualidades ou atributos que compõem a natureza de Deus e que são a base de todas as Suas manifestações externas.

 

Esse ser substancial que é Deus é invisível, imaterial e não se compõe de partes. Deus tem substância, mas Ele não é uma substância material, ou seja, Ele não se compõe de matéria, conforme acontece conosco. Antes, Deus é uma substância espiritual. Veja Lucas 24.39: “Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e verificai, porque um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho.” - RA.

 

Visto que Deus é espírito, no sentido mais puro da palavra, também não tem aquelas limitações que nos ocorrem à mente, quando pensamos em algum ser humano. Deus não tem quaisquer das propriedades ou características que pertencem à matéria. Paulo descreve Deus como: “Ao Rei eterno, imortal e invisível, o único Deus—a ele sejam dadas a honra e a glória, para todo o sempre! Amém!” (1 Timóteo 1.17 NTLH), e também como  “ Quando chegar o tempo certo, Deus fará com que isso aconteça, o mesmo Deus que é o bendito e único Rei, o Rei dos reis e o Senhor dos senhores,  o único que é imortal. Ele vive na luz, e ninguém pode chegar perto dela. Ninguém nunca o viu, nem poderá ver. A Ele pertence a honra e o poder eterno! Amém!” (1 Timóteo 6:15-16 NTLH).

 

Ora, se Deus realmente é um espírito invisível, então como podemos entender as instâncias existentes na Bíblia, como aquela descrita em Êxodo 33.19-23, onde somos informados que Moisés viu a Deus? Na verdade, não temos ali qualquer contradição com o fato que Deus é invisível e imaterial. Em algumas dessas ocasiões homens viram os reflexos da gloria de Deus, mas não viram a Sua essência propriamente dita. Outras ocasiões revelam que um espírito pode manifestar-se sob formas visíveis. Deus é perfeitamente capaz de revelar-se por intermédio de alguma  manifestação física. Isso aconteceu, por exemplo, quando o Espírito Santo pairou sobre Jesus como uma pomba, quando Ele acabara de ser batizado nas águas. Veja João 1.32-34: “João continuou: - Eu vi o Espírito descer do céu como uma pomba e parar sobre ele. Eu não sabia quem ele era, mas Deus, que me mandou batizar com água, me disse: “Você vai ver o Espírito descer e parar sobre um homem. Esse é quem batiza com o Espírito Santo.”  E eu vi isso e por esse motivo tenho declarado que ele é o Filho de Deus.”  - NTLH.

 

Quando João Batista viu esse sinal visível, ficou persuadido de que Jesus era, realmente, o Filho de Deus. Desse modo, o Espírito invisível de Deus revelou-se na forma de uma ave, a fim de que João Batista pudesse saber, com certeza, a identidade dAquele (Jesus) que batizava com o Espírito Santo. No exemplo de Êxodo 33, Moisés também precisava ter absoluta certeza de que Deus é quem lhe estava dando a tarefa de ser líder. E por esse motivo, Deus lhe conferiu um sinal físico.

 

Continua no próximo post.



publicado por homota às 16:42
Sábado, 19 / 02 / 11

...

publicado por homota às 05:16
Sábado, 19 / 02 / 11

Doutrina de Deus - 1.

Sua natureza e Suas características naturais.

 

À antiga indagação: ”Porventura alcançarás os caminhos de Deus ou chegarás à perfeição do Todo-poderoso?” (Jó 11.7), podemos responder com um “Não!” O grande problema que enfrentamos em nossos esforços de compreender a Deus, é que o homem finito não pode compreender o Ser Infinito!

 

Exceto a revelação que temos sobre a natureza e os atributos ou características de Deus, não dispomos de meios para conhecer o Ser de Deus. Somente aquilo que Ele mesmo revelou acerca de Sua natureza e de Seus atributos nos confere algum conhecimento sobre o Seu Ser divino. Portanto, aquilo que Ele revelou sobre Si mesmo é apenas um desvendamento parcial, embora exato, do Seu Ser.

 

Também podemos conhecer a Deus quando Ele entra em relacionamento pessoal conosco. Obtemos conhecimentos sobre Ele, ao estudarmos sobre Sua natureza e características, porquanto estas revelam aspectos diversos do Seu Ser. A fim de obtermos um conhecimento completamente fidedigno da natureza e das características divinas, precisamos começar estudando a revelação de Deus sobre Si mesmo nas Sagradas Escrituras. Apesar de podermos obter um certo conhecimento geral de Deus, quando contemplamos as Suas obras na natureza, precisamos voltar-nos para a Palavra escrita, se quisermos receber entendimento sobre a Sua natureza e as Suas características.

 

Enquanto estivermos estudando sobre o nosso Criador, você poderá apreciar mais plenamente que foi o interesse Dele por você que O levou à progressiva auto-revelação através dos séculos. Essa auto-revelação atingiu seu ponto culminante quando Ele, finalmente, falou pelo Seu Filho (Veja Hebreus 1.2: “nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo.” - RA).

 

A natureza de Deus.

À medida que os cientistas foram estudando a composição do sangue humano, foram descobrindo que o mesmo se compõe de diferentes sustâncias e de minúsculas partículas que têm diversas funções na manutenção da vida biológica. Esse líquido tão complexo é bombeado através de uma intrincada rede de condutos, noite e dia, por meio de uma máquina muito resistente, o coração, que repousa após cada movimento completo. O sangue é a corrente vital do corpo humano. Leva oxigênio e nutrientes a todas as partes do organismo, combate os germes que, porventura, invadam o corpo e ajuda o corpo a livrar-se de seus resíduos inúteis. Portanto, torna-se necessária a coordenação dos pulmões, dos rins, dos intestinos e de outros órgãos, em adição ao coração.

 

Esse é apenas um dos muitos exemplos de sistemas biológicos altamente organizados, que possibilitam a vida. Não há por que duvidar que foi preciso um Ser de grande poder e inteligência para produzir essas maravilhas. O que sabemos a respeito desse Ser? Consideremos alguns fatos que sabemos sobre Deus o nosso Criador.

 

Deus é um Ser pessoal.

Quais são as partes essenciais do corpo de uma pessoa? Os braços? A voz? Os olhos? Se um indivíduo vier a perder algum desses membros, ainda assim continuará sendo uma pessoa. Podemos concordar que uma pessoa é algo que não se restringe ao corpo. Uma pessoa é alguém dotado da capacidade de pensar, de sentir e de tomar resoluções. Embora Deus não tenha um corpo físico, certamente têm inteligência e também a capacidade de sentir, de pensar e de raciocinar. A Bíblia nos revela que Ele se comunica com outros seres (Veja Salmo 25.14: “A intimidade do SENHOR é para os que o temem, aos quais ele dará a conhecer a sua aliança.” - RA) e que é afetado pelas reações deles a Ele (Veja Isaías 1.14: “ As vossas Festas da Lua Nova e as vossas solenidades, a minha alma as aborrece; já me são pesadas; estou cansado de as sofrer.” - RA). Deus pensa (Veja Isaías 55.8: “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o SENHOR,” - RA) e toma decisões (Veja Gênesis 2.18: “ Disse mais o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea.” - RA).

 

Todas essas são características de um ser pessoal. Logo Deus é um Ser pessoal.

Podemos aprender certos detalhes acerca da personalidade de Deus, quando consideramos a personalidade do homem, visto que o homem foi criado à imagem e semelhança de Deus. Naturalmente, essa abordagem tem limitações, pois não devemos imaginar que a personalidade humana seja o padrão pelo qual devemos medir a personalidade de Deus. Isso porque o modelo original da personalidade encontra-se em Deus, e não no homem. A personalidade humana é apenas uma cópia do original, isto é, a humana não é idêntica a de Deus. Assim, aquilo que aparece na personalidade humana com imperfeições, existe de modo perfeito na pessoa de Deus.

 

Se você tivesse um conhecido que nunca permitisse saber como ele se sente, nunca compartilhasse de seus pensamentos e nunca demonstrasse qualquer interesse consigo, você poderia dizer que ele é impessoal. Em outras palavras ele não expressaria para você as características próprias de uma personalidade. Deus, porém, não age assim. Ele está interessado em você. Ele tem sentimentos acerca das pessoas e Ele comunga ou tem companheirismo para com elas. Outrossim, Deus toma decisões acerca das pessoas.

 

Muitas pessoas acreditam que o Ser supremo, que criou esse mundo, distanciou-se das questões humanas. Elas acreditam que os espíritos dos antepassados ou da natureza têm muito mais a ver diariamente com as pessoas do que Deus. Naturalmente isto constitui um equivoco – Deus interessa-se pelas questões humanas e relaciona-se conosco de maneira pessoal.

 

Continua no próximo post.

publicado por homota às 05:02
Quinta-feira, 10 / 02 / 11

Reconhecimento do Novo Testamento.

As palavras de Jesus foram reconhecidas de autoridade por Ele próprio e pelos seus apóstolos. Jesus afirmou que Suas palavras tinham poder e autoridade sem igual (Veja em João 6.63: “O Espírito é o que vivifica; a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida.” - RA); e em João 15.3: “Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado;” - RA). Ele disse que elas não passarão (Veja em Marcos 13.31: “O céu e a terra desaparecerão, mas as minhas palavras ficarão para sempre.” - NTLH) e devem ser ouvidas e obedecidas (Veja em Mateus 5.21,22 ss: “—Vocês ouviram o que foi dito aos seus antepassados: “Não mate. Quem matar será julgado.” Mas eu lhes digo que qualquer um que ficar com raiva do seu irmão será julgado. Quem disser ao seu irmão: “Você não vale nada” será julgado pelo tribunal. E quem chamar o seu irmão de idiota estará em perigo de ir para o fogo do inferno.” (Mateus 5:21,22 NTLH); em Mateus 7.24: “ —Quem ouve esses meus ensinamentos e vive de acordo com eles é como um homem sábio que construiu a sua casa na rocha.” (Mateus 7:24 NTLH); e em João 8.31: “Então Jesus disse para os que creram nele: —Se vocês continuarem a obedecer aos meus ensinamentos, serão, de fato, meus discípulos” - NTLH).

 

Os apóstolos também reconheceram a autoridade divina do Seu Mestre e Senhor (Veja Atos 20.35: “Em tudo tenho mostrado a vocês que é trabalhando assim que podemos ajudar os necessitados. Lembrem das palavras do Senhor Jesus: “É mais feliz quem dá do que quem recebe.”” - NTLH; em 1 Coríntios 7.10: “Para os que já estão casados tenho um mandamento, que não é meu, mas do Senhor: que a mulher não se separe do seu marido.” - NTLH; e em 1 Coríntios 11.23: “Porque eu recebi do Senhor este ensinamento que passei para vocês: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, pegou o pão” - NTLH).

 

Em 1Timóteo 5.18: “Pois a Escritura declara: Não amordaces o boi, quando pisa o trigo. E ainda: O trabalhador é digno do seu salário.” - RA, temos a combinação de um versículo do Antigo Testamento (Deuteronômio 25.4: “ Não atarás a boca ao boi quando debulha.” com outro do Novo Testamento (Lucas 10.7: “Permanecei na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem; porque digno é o trabalhador do seu salário. Não andeis a mudar de casa em casa.” - RA, extraído dos ensinos de Jesus, sob a designação de Escritura.

 

Isto confere às palavras de Cristo autoridade igual a das Escrituras do Antigo Testamento.

 

Continua no próximo post.

 

Viva Jesus!

Deus lhe abençoe!

publicado por homota às 12:17
Este blog é feito para divulgar a Palavra de Deus, e as doutrinas e fatos da história da Igreja Cristã.

mais sobre mim

Fevereiro 2011

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
23
24
25
26
27
28

últ. recentes

tags

todas as tags

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro