Existem problemas, aparentemente pequenos, que ocorrem na vida de um casal que podem trazer tristeza e discórdia em uma família:
Falta de confiança e respeito mútuo. Existem maridos que parecem ter prazer em humilhar sua esposa na presença de outras pessoas. Por outro lado há mulheres que aproveitam todas as oportunidades que tem para depreciar o seu marido, discordando dele ou corrigindo tudo o que ele diz, na frente dos outros. Talvez estejam agindo assim para descontar no outro alguma lacuna no comportamento. Essa lacuna pode ser: omissão de amor, de submissão; entretanto, essa certamente não é a maneira como o crente deve lidar com seus problemas de relacionamento. O padrão bíblico designa que o marido ame a sua esposa como Cristo ama a Igreja (Efésios 5.25,28) e que a esposa honre e respeite seu marido (Efésios 5.33).
“Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela ... Assim também os maridos devem amar a sua mulher como ao próprio corpo. Quem ama a esposa a si mesmo se ama. Porque ninguém jamais odiou a própria carne; antes, a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a Igreja ... Não obstante, vós, cada um de per si também ame a própria esposa como a si mesmo, e a esposa respeite ao marido” (Efésios 5.25,28,29,33)
Nenhum dos dois deve dar motivos para que o outro sinta ciúme. O casal cristão que enfrenta esse problema deve discuti-lo junto e abertamente e ambos devem concordar em evitar situações que propiciem esse tipo de sentimento. A pessoa que está sempre enciumada, sem que haja um motivo justo, deve pedir ao Senhor que a ajude a vencer esse sentimento e a desenvolver confiança em seu cônjuge. O ciúme ocorre quando falta: respeito, submissão, compromisso ou confiança.
Falta de comunicação. Existem maridos que quase não conversam com suas esposas. Essa é uma reclamação comum às mulheres que muito provavelmente passam o dia cuidando dos filhos pequenos e quando chega a noite, estão desejosas de conversar com o marido. Para que um casamento seja bom é preciso haver boa comunicação. O marido e a esposa devem dividir um com o outro, mais do que com qualquer outra pessoa, tanto suas alegrias, tristezas, esperanças e sonhos, quanto os probleminhas do dia a dia.
Excesso de compromissos. Esse, parece ser o problema número 1 de muitos lares cristãos, inclusive de pastores e de outras pessoas que trabalham em tempo integral no ministério. É fácil envolver-se em muitas atividades fora de nossa casa e quase não sobrar tempo para a vida familiar. O lar se torna um lugar apenas para comer, tomar banho e dormir. Muitas famílias são negligenciadas enquanto o pai trabalha para ganhar o dinheiro, ou fica ocupado ministrando às necessidades espirituais dos outros. Ele dá o melhor de si em seu trabalho, mas muito pouco ou até mesmo nada para sua esposa e filhos. Deus espera que utilizemos a inteligência que Ele nos deu para estabelecer corretamente nossas prioridades. Se é papel do marido assumir a liderança espiritual do seu lar, então ele precisa passar tempo em comunhão com sua família ensinando-a.
Em 1 Timóteo 3.1-12 Paulo nos dá a entender que há necessidade dos pastores darem darem mais prioridades às suas famílias
publicado por homota às 16:22